Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Prevenção do Assédio no Local de Trabalho

Notícias
04 Outubro 2017

 

A Lei n.º 73/2017, de 16 de Agosto vem reforçar os esforços legislativos de prevenção da prática de assédio no local de trabalho. O assédio no local de trabalho é definido como o comportamento indesejado, nomeadamente o baseado em factor de discriminação, praticado aquando do acesso ao emprego ou no próprio emprego, trabalho ou formação profissional, com o objectivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afectar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador.

O que muda no Código do Trabalho com esta nova lei?

  • A vítima de assédio tem direito a ser indemnizada, por danos patrimoniais e não patrimoniais;
  • Poderá haver responsabilização penal de quem pratique assédio em qualquer uma das suas formas;
  • O denunciante e as testemunhas por si indicadas não podem ser sancionados disciplinarmente por factos ou declarações constantes de auto de processo, até à decisão final do mesmo, seja contraordenacional ou judicial, que tenha por objecto a prática de assédio;
  • Quando a empresa tenha 7 (sete) ou mais trabalhadores, o empregador é obrigado a ter um código de boa conduta para a prevenção e combate ao assédio no trabalho, sob pena de contraordenação grave;
  • É obrigatória a instauração de um procedimento disciplinar sempre que o empregador tenha conhecimento de alegadas situações de assédio, sob pena de contraordenação grave;
  • Nos acordos de cessação de contrato de trabalho, passa a ser obrigatória a previsão do prazo legal para o exercício do direito de fazer cessar esse acordo;
  • Em caso de condenação, a sanção acessória de publicidade não é dispensada.

Neste sentido, salientamos que, em termos preventivos, as entidades empregadoras deverão aprovar os seus códigos de conduta a breve trecho, pois a sua inexistência em empresas com mais de 7 trabalhadores consubstancia a prática de uma contraordenação grave.

Por outro lado, sempre que a entidade empregadora tenha conhecimento de uma situação de assédio, fica obrigada a intentar o competente processo disciplinar, ficando sem qualquer autonomia neste caso em particular.