Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Alteração do IVA da electricidade

Notícias
28 Setembro 2020

Foi publicado o Decreto-Lei n.º 74/2020, de 24 de Setembro, que procede à alteração ao Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) quanto à aplicação da taxa intermédia de IVA a fornecimentos de electricidade na parte que não exceda um determinado nível de consumo e que sejam relativos a potências contratadas dentro da baixa tensão normal (BTN) até 6,9 kVA.

De acordo com o Governo, esta medida complementa o caminho de redução do IVA da electricidade de uma maneira sustentável, socialmente justa e com um impacto financeiro comportável, iniciado em 2019 com a redução da taxa de IVA aplicada à componente fixa das tarifas de acesso às redes nos fornecimentos de electricidade cuja potência contratada não ultrapasse 3,45 kVA.

Assim sendo, a partir de 1 de Dezembro de 2020, é aplicada a taxa intermédia de IVA (13%) ao fornecimento de electricidade para consumo, com exclusão das componentes fixas, relativamente a uma potência contratada que não ultrapasse 6,90 kVA, na parte que não exceda:

  • 100 kWh por período de 30 dias;
  • 150 kWh por período de 30 dias, quando adquirida para consumo de famílias numerosas (agregados familiares constituídos por 5 ou mais pessoas). Em especial, esta medida produz efeitos a partir de 1 de Março de 2021.

A componente fixa da tarifa de acesso às redes e as demais componentes relativas à potência contratada que não variam com a quantidade kWh consumido, mantendo-se as regras actualmente vigentes neste âmbito.

Estas medidas de progressividade no imposto visam estimular a eficiência energética em mais de 80% dos consumos do mercado eléctrico em Portugal. Deste modo, estima-se a redução da factura de electricidade paga pela generalidade dos consumidores, beneficiando-se também o cumprimento dos objectivos ambientais assumidos por Portugal e pela União Europeia.