Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

LABOUR 2030

Notícias
27 Setembro 2019

Aconteceu no Porto, nos passados dias 19 e 20 de Setembro de 2019, o II Congresso Internacional “Labour 2030”, com a participação de especialistas, advogados, professores, empreendedores e investigadores da área do Direito Laboral, portugueses e internacionais (https://www.labour2030.eu/).

Partindo do tema do Trabalho do Futuro e dos desafios colocados pelas novas tecnologias e pela necessidade de uma maior sustentabilidade em matéria de emprego e ambiente, foram apresentadas variadas visões e perspectivas para aquilo que será um mundo substancialmente diferente para trabalhadores e empregadores.

Foram abordados alguns temas nacionais, como o momento de (quase) emprego pleno e a dificuldade de recrutar, especialmente para posições cada vez mais específicas. Devido, em especial, às novas tecnologias, as empresas conhecem grandes desafios ao nível do recrutamento, dada a emergência de novas áreas, com poucos profissionais qualificados em determinados temas ou tecnologias.

Aliado a este problema, foi referida a necessidade de rever e actualizar convenções colectivas que se tornam obsoletas no âmbito destas novas realidades, em especial no que respeita ao delinear de funções e categorias.

Por outro lado, e também decorrente da necessidade de recrutar e reter talento, torna-se necessário desenvolver um esforço de imagem das empresas enquanto empregadoras. O “employer branding” é uma realidade cada vez mais exigente e que mudará a perspectiva dos recursos humanos em Portugal. Num mundo que se torna pequeno em virtude do impacto das redes sociais, é cada vez mais importante garantir que o trabalho é uma experiência gratificante para o trabalhador, independentemente da sua duração. Com o crescente aumento da mobilidade do trabalhador, será indispensável para a empresa que o trabalhador queira manter-se na mesma posição ou, caso saia, queira um dia regressar. No entanto, também se tem vindo a afirmar a importância das cláusulas de não concorrência num mundo em que a mão de obra especializada em certos mercados é escassa.

Em consequência desta realidade, torna-se necessário implementar benefícios adequados a trabalhadores que procuram uma experiência de trabalho que ultrapassa o evidente benefício financeiro. Uma experiência completa implica ter à sua disposição benefícios virados para a evolução profissional, mas também pessoal. Por outro lado, reputa-se da maior premência assegurar a compatibilização da vida familiar com a vida profissional, num mundo que não se desliga fora do horário de trabalho.

O direito à desconexão tecnológica, como um corolário emergente do direito ao descanso, será um dos novos direitos, como forma de assegurar o efectivo repouso do trabalhador e, também, proteger a sua privacidade. Este foi, também, um dos grandes temas internacionais, a par da realidade do trabalho em plataforma, que se tem vindo a impor nos últimos anos, mercê das novas plataformas electrónicas prestação de serviços de transporte, alojamento, restauração, entregas, etc. De facto, o trabalho remoto através de plataforma tem trazido muitas questões sobre o seu enquadramento legal e laboral, tendo em conta a dependência do trabalhador face à plataforma e toda a realidade jurídica construída para servir o contexto tecnológico.

Por fim, e como cenário de todas as análises partilhadas, foi muito discutida a necessidade das empresas, não só enquanto empregadores, mas num paradigma de responsabilidade social e ambiental, contribuírem cada vez mais para um mundo sustentável, tarefa que, actualmente, tem sido mais assumida pelo cidadão. O trabalho remoto, ou teletrabalho, foi referido como uma forma simples de, usando a tecnologia, reduzir o impacto ambiental das viagens pendulares diárias. No entanto, cada empresa deve, de acordo com a sua realidade, adaptar as suas práticas e procedimentos, de modo a reduzir o impacto da sua actividade e este é um dos grandes desafios, a nível nacional e internacional.